Assinatura RSS

O dia que a chuva me deixou mais leve

Publicado em

Tem horas que a vida da gente tá tão corrida e bagunçada que o único jeito de melhorar as coisas é dar uma pausa e se dar conta de que você está fazendo isso errado. Porque chega uma hora que é tanta coisa, tanta preocupação, tanto TCC, tanto o que você vai fazer quando se formar, que a gente esquece a calma, esquece de tudo aquilo que coloca a gente no lugar. E só eu sei o quanto me faz mal viver angustiada.

Pois bem. Eu tenho um TCC pra entregar e estou atrasada, tô trabalhando pra caramba – e adorando! – e não, eu não faço ideia do que vou fazer quando eu me formar. E até hoje de manhã, eu só queria que tudo isso acabasse logo. Eu tinha uma reunião com a orientadora, depois de sumir por alguns meses.

Acordei, tomei café, tomei um banho, passei tooodos os meus cremes de cabelo (Betão diria “esse bando de garrafinha que fica no banheiro, quanta frescura!”), vesti minha calça vermelha e fui pra UEL, enfrentar essa coisa bonita que é a fundamentação teórica do TCC.

São três quadras até o ponto de ônibus. Maior vento do mundo. Tava difícil andar. Voava areia na minha cara, voava isopor, voava tudo dos dois prédios em construção no trajeto. Cheguei ao ponto de ônibus, e já comecei a sentir umas chuviscadas, até que começa a cair o mundo em cima da minha blusa branca. E eu não tinha nem onde me esconder, porque o vento jogava água pra todo lado. Resolvi voltar pra casa, porque não ia ter jeito de chegar na UEL ensopada daquele jeito.

E eu precisava chegar na UEL, depois de meses sem falar com a orientadora. Peguei o celular pra dar um jeito e…uma chamada perdida justamente da orientadora mais querida do Brasil. “- Oi Má, podemos nos encontrar amanhã?” Foi o maior alívio da vida, porque eu ia ter que voltar pra casa, trocar de roupa correndo, passar todas as garrafinhas no cabelo outra vez e arrumar um jeito de chegar  a tempo. E não ia dar tempo.

Aí eu voltei pra casa tomando o resto da chuva que faltava cair e rindo sozinha da minha situação. Estava toda molhada, descabelada, com a blusa transparente, pés enlameados e tentando não deixar entrar água na bolsa. Só conseguia rir no meio da rua. Lembrei que eu preciso rir mais das coisas. E eu tenho isso de rir dessas situações. Foi assim o dia que eu estraguei meus cupcakes de aniversário. Quando eu parei de fazer drama, aceitei a cagada que tinha feito e comecei a encarar como uma história engraçada, tudo ficou mais leve. E não importa se tá tudo meio torto, se tá difícil ou se tá dando errado. A vida segue, a chuva passa e é bem melhor encarar as coisas com leveza.

Enquanto voltava rindo na chuva, lembrei dessa música: “Let’s dance to Joy Division and celebrate the irony: everything is going wrong but we’re so happy”

Anúncios

»

  1. No more drama queen? HE

    Responder
  2. Marilda Carvalho Dias

    É isso aí Marininha, temos que rir e se acalmar e o TCC vai sair e você vai encontrar seu caminho e enquanto isso eu estou sempre aqui, nunca se esqueça disso. Te amo. Beijos. Sua mãe.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: